Cedro - PE

Cedro é um município brasileiro do estado de Pernambuco, localizado no Sertão Pernambucano.


História
Durante o século XIX, o local onde hoje se encontra atualmente a cidade, era uma região de caatinga como diversas outras no Sertão. Aos poucos o nordeste brasileiro ia sendo colonizado com o incentivo da pecuária.
As propriedades se espalhavam por todo o sertão nordestino. Nesta época vieram para esta região as famílias Leite e Inácio. Os Inácios eram oriundos de Serra Talhada e os Leite vinham do vizinho estado da Paraíba.
A propriedade que deu origem ao povoado de Cedro pertencia a Joaquim Inácio Leite, pai de Manoel Joaquim Leite.
A propriedade era uma típica fazenda do Sertão: havia canavial, Casa de Farinha, Curral de Gado e Engenho, localizado onde hoje é a rua do Engenho Velho.
A fazenda logo tornou-se um ponto de parada dos viajantes que vinham de Cabrobó para comercializar em Jardim e no Crato.
Em 1913 Manoel Joaquim Leite construiu a primeira capela da cidade, nas proximidades de onde hoje é a Igreja da Matriz.
 
Crescimento da vila
Francisco de Assis Leite, conhecido como Chico Leite, seguiu os passos de seu pai, Manoel Joaquim Leite, que fora político e vereador.
Chico Leite tornou-se um dos mais importantes personagem de nossa história. Seguindo o caminho do pai, que construíra a primeira capela, Francisco Leite construiu também uma Capela na pequena vila, no local onde hoje é a Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Ele foi também o responsável pela construção do primeiro prédio da Igreja Matriz.
No início, havia apenas quatro edificações na pequena vila:
  1. A capela, onde hoje se encontra a Igreja Matriz;
  2. A casa de Manoel Joaquim Leite, onde hoje se encontra a casa de Mário Leite (Filho de Manoel Joaquim Leite);
  3. Um engenho, onde hoje se encontra a Rua do Engenho Velho; e
  4. A casa de Francisco Leite, onde hoje se encontra o Supermercado de Marielton.
Emancipação
No dia 20 de dezembro de 1963 a história de Cedro mudou completamente. Esta data marca a Emancipação do município, ou seja, Cedro, que era distrito de Serrita, tornou-se cidade.
No início havia apenas uma fazenda, depois formou-se a primeira rua e com o tempo o povamento continuou a progredir, passando a ser distrito e finalmente foi emancipado politicamente do município de Serrita em 20 de dezembro de 1963. O novo município teve como patrono o coronel Francisco Filgueira Sampaio (Chico Romão) e como primeiro prefeito Gumercindo da Silva Bem.
Cedro na década de 1970, usando paletó José Urias e José Nelson, políticos importantes em nossa história.

Ata da Emancipação política de Cedro PE
Nossos fundadores:
1- Manoel Joaquim Leite
História de Vida
Joaquim Leite nasceu em 1870 e faleceu em 2 de junho de 1929, com apenas 59 anos de idade.
Era filho de Joaquim Inácio Leite e de Joaquina Jacinta de Vasconcelos. Foi Professor, agrimensor, agricultor e vereador pelo município de Serrita.
Sua residência servia de abrigo para muitos tropeiros, romeiros e viajantes que se dirigiam para o Ceará, principalmente para Juazeiro do Norte, além de funcionar como escola, onde o próprio ensinava, e ter servido para celebração de missas, antes da construção da primeira capela e durante o período entre a demolição da primeira capela e a construção da Segunda.
Esse casarão era ladeado por uma bolandeira (descaroçadeira de algodão) – (ao norte) - e por uma casa de farinha (ao sul), ambas de propriedade do Prof. Manoel Joaquim Leite. Também era de sua propriedade um engenho de cana que ficava localizado nas proximidades da atual Rua do Engenho Velho, daí o nome.
Construiu a primeira capela em 1913, que foi batizada pelo Padre Sizenando e um cemitério em 1916 - hoje praça N.S. do Perpétuo Socorro. Casou-se três vezes.
 
Geografia
O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2005.[6] Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico inferior a 800 mm, o índice de aridez até 0,5 e o risco de seca maior que 60%.
 
A Paisagem
O município está localizado na unidade geoambiental dos Maciços e Serras Baixas. A paisagem que predomina em nesta região é a Caatinga, típica do semi-árido. O semi-árido tem duas estações: a seca que se prolonga de junho a dezembro e a chuvosa entre janeiro e maio. Durante a estação seca as paisagem ganha a cor cinza, pois as árvores deixam as folhas caírem para economizar água.
Logo que chegam as primeiras chuvas tudo fica verde novamente. 
Hidrografia
Cedro está nos domínios da bacia hidrográfica do Rio Terra Nova e tem como principais tributários os riachos do Meio e da Gameleira, todos de regime intermitente. O açude Barrinha é a prinicipal fonte de água para a população, inicialmente este açude teve a capacidade de acumulação de 1.960.000 m³.

Dados
Localização: Sertão, microrregião de Salgueiro, distante 569 km do Recife.
Área: 231 km²
Solo: Argiloso
Relevo: Plano e suave ondulado
Vegetação: Caatinga hiperxerófila
Ocorrência mineral: - Ouro, quartzo, etc
Precipitação pluviométrica média anual: 1.033,9milímetros
Meses chuvosos: Março - Abril
População: 10.240 habitantes
Dia de feira: Sexta-feira
Data de comemoração da emancipação política: 20 de dezembro
Prefeito: Josenildo Leite Soares (Neguinho de Zé Arlindo)
Padroeira: Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

 Bandeira de Cedro

Hino do município de Cedro (Pernambuco)

Cedro terra da esperança
Assim tu sempre vais ser,
Tua nação lhe transmite
Força para nunca perecer,
Queremos teu crescimento
Nunca teu retroceder

Reaviva com esplendor
Teu espírito juvenil,
Pernambuco te reverencia
És orgulho do Brasil

És a capital do milho
Também planta carinho e amor,
Rico em artes e cultura
Forte como o que te originou,
Teu povo miscigenado e místico
Exportando teu valor

"Quando vejo em ti o sol nascer
Cedro meu berço sagrado",
Já dizia o autor
Que nesta terra foi criado
"Sinto o coração bater
Pernambuco Cedro amado"

Tua bandeira é nosso manto
Nossa luta tua proteção,
Sua hospitalidade
Acolhendo todo cidadão
A ti saudamos eternamente
Nossa terra nosso chão

Aniversário     20 de dezembro
Fundação     18 de maio de 1964
Gentílico     cedrense
Lema     Capital do Milho
Prefeito(a)     Josenildo Leite Soares (PSB) (2009–2013).

Características geográficas


Área     144,085 km² [2]
População     10 778 hab. IBGE/2010[3]
Densidade     74,8 hab./km²
Altitude     546 m
Clima     semi-árido BShW
Fuso horário     UTC−3 
Fonte: wikipedia

Fotos

Centro
Igreja Matriz.

Cristo
Impressionante imagem de Cristo no Morro do Cruzeiro.

Fogueira Junina
Ciclo de Festas Juninas, fogueiras e brincadeiras.

Cruzeiro
O morro do Cruzeiro.

Juazeiro
Durante a estação seca, somente o juazeiro permanece verde.

Juazeiro no Período Chuvoso
Quando vem a estação chuvosa, toda a Caatinga fica verde novamente.

Açude da Barrinha
Açude da Barrinha.

Estádio Camilão
Estádio Municipal "O Camilão"..


Açude da Barrinha
Açude da Barrinha.

Morro do Cruzeiro
Vista do Morro do Cruzeiro.

Entrada da Cidade
Entrada da cidade.

Clarear do dia em Cedro PE
Dia amanhecendo em Cedro.

Centro de Cedro
Área central da cidade.

Praça da Matriz
Praça da Matriz.

Cedro Pernambuco
Cedro Pernambuco.

Igreja Matriz Antiga
Antiga Igreja Matriz..

Rua do Comércio
Rua do Comércio.

Rua Tiradentes
Rua Tiradentes.

Feira Antiga
Feira na Esquina da rua Tiradentes com a rua do Comércio (hoje, rua Fco Filgueira)..

Rua Sete de Setembro
Rua Sete de Setembro.

Biografia
Leal Borges


Inácio Rufino Martins, popularmente conhecido como Leal Borges, nasceu 01 de fevereiro de 1965, no Sítio Gameleira – Cedro – PE, filho de Pedro Rufino Martins, o popular Pedro Simão e de Maria Joaquina de Jesus, teve 9 irmãos, sendo avós paternos: Joaquim Rufino Martins e Antonia Rufino Martins e avós maternos: José Borges do Nascimento e Maria Joaquina da Conceição.

A família vivia da agricultura e em meio as dificuldades, em 1971 passaram a residir no Estado do Paraná e lá instalada, Leal com 6 anos de idade, perdeu sua mãe. Assim, desorientados voltaram para o Sítio Gameleira e Leal sentindo as mesmas dificuldades ainda adolescente começou a ajudar ao seu pai.

Com 11 anos de idade começou a pensar seriamente em ser cantor. Vendo que era pouco o que oferecia aos seus familiares, resolveu ir para São Paulo e lá despertou para a música e para a profissão de torneiro mecânico. Sempre pensando no Nordeste, que amava tanto e pensando nos seus irmãos, resolveu trazê-los para uma vida melhor. Assim em São Paulo, começou seu movimento como cantor, apresentando-se em festas, encontros e apresentações, inclusive em televisão.

No período de 1988 à 1991, conseguiu gravar 2 discos, sendo um deles apresentado no Programa Domingo Legal, dirigido por Augusto Liberato e também no Programa televisivo, Clube do Bolinha. Após trabalhar o seus discos, vendo não dar muito resultado em São Paulo, resolveu voltar para o Nordeste, sempre perseverante na sua missão de cantar de forró, compondo várias músicas voltadas para as coisas do Nordeste, onde Alcimar Monteiro gravou músicas de sua autoria.

Como no Cedro o campo era reduzido, resolveu instalar-se em Fortaleza CE. Chegando lá, juntou-se ao empresário Manoel Gurgel e passou a trabalhar nas bandas de forró: Mastruz com Leite, Mel com Terra, Cavalo de Pau, Calango Aceso, Balaio de Gato e Aquarius. Como sempre, paralelamente exercia a função aprendida em São Paulo, pois tinha planos para voltar ao trabalho de torneiro mecânico, dessa vez como empresário.

Em meio ao crescimento, como cantor, viajou por várias cidades do Nordeste, passando por Recife, Pesqueira, Serra Talhada, onde foi convidado por Carlos Pessoa, para uma entrevista na Rádio Líder de Serra Talhada, apresentou-se também em Petrolina, Araripina, Salgueiro e Cedro, sua terra natal.

Começou a fazer sucesso com as músicas: Forró do Cafundó, Mãe, O Sertão Chorou e a música Cedro, que até hoje é sucesso, onde relata o seu amor pela terra natal. Após adquirir um pouco de estabilidade, conheceu Maria da Penha Luciano Martins, jovem de família tradicional do Povoado Mameluco, com quem se casou e teve 2 filhos: Osvaldo Luciano Martins e Saulo Luciano Martins.

Com maior estabilidade, resolveu, aproximar-se mais dos seus familiares e despediu-se de Fortaleza, pensando instalar-se em Barbalha CE e lá montar uma oficina. Para isso adquiriu alguns maquinários, juntou  sua mudança e em viagem realizada no dia 4 de setembro de 1997, o condutor do caminhão, em que viajavam os dois, perdeu o controle da direção caindo num abismo, quando passava na cidade de Jaguaribe- CE.

Assim foi o fim do saudoso cantor Leal Borges, sepultado no Cemitério São José, na cidade de Cedro – PE, em meio a uma grande multidão que lamentava o triste fim de um jovem de 32 anos de idade, tão cheio de vontade e de amor à sua terra, aos familiares e aos conterrâneos.









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário